Espiritismo Educação Recursos Ajuda Serviços
Estudos
Salas de Estudo      O Livro dos Espíritos      O Evangelho      A Gênese
O Livro dos Médiuns      Série André Luiz      Série Philomeno   Educar      Família      
Home > O Livro dos Médiuns
SEGUNDA PARTE - Cap. XXXI - Dissertações espíritas - XIII (Estudo 120 de 133)

       

Reflexão

1) Como fazer o exercício de manter nossas ações em harmonia com a nossa consciência?

 
SEGUNDA PARTE - Cap. XXXI - Dissertações espíritas - XIII - Conclusão Voltar ao estudo
 
XIII – CONCLUSÃO

1) Pensando antes de agir, vigiando nossas ações, lembrando que sempre somos exemplo para alguém, pois não é somente no exercício da mediunidade no Centro Espírita que devemos cuidar da nossa conduta – em todas as áreas das nossas vidas a nossa conduta deve ser a mesma.

Ensina Joanna de Angelis:

“(...)
A aquisição da consciência é desafio da vida é o autoconhecimento, que merece exame, consideração e trabalho.
A tua existência terrena pode ser considerada uma empresa que deves dirigir de forma segura, a mais cuidadosa possível.
Terás que trabalhar dados concretos e outros mais abstratos, na área da programação de atividades, e fim de conseguires êxito. Todo emprenho e devotamento se transformarão em mecanismos de lucro, a que sempre poderás recorrer durante as situações difíceis.
Algumas breves regras ajudar-te-ão no desempenho do empreendimento, tais:
. administra os teus conflitos. O conflito psicológico é inerente à natureza humana e todos o sofrem;
. evita eleger homens-modelos para seguires; eles também são vulneráveis às injunções que experimentas, e, às vezes, comprometem-se, o que, de maneira alguma deve constituir desestímulo;
. concede-te maior dose de confiança nos teus valores, honrando-te com o esforço para melhorar sempre e sem desânimo. Se erras, repete a ação, e se acertas, segue adiante;
. não te evadas ao enfrentamento de problemas usando expedientes falsos, comprometedores, que te surpreenderão mais tarde com dependências infelizes;
. reage à depressão, trabalhando sem autopiedade nem acomodação preguiçosa;
. tem em mente que os teus não são os piores problemas, eles pesam o volume que lhes emprestas;
. libera-te da queixa pessimista e medita mais nas fórmulas para perseverar e produzir;
. nunca cedas espaço à hora vazia, que se preenche de tédio, mal-estar ou perturbação;
. o que faças, faze-o bem, com dedicação;
. lembra-te que és humano e o processo de conscientização é lento, que adquirirás segurança e lucidez através da ação contínua.
Interessado em decifrar os enigmas do comportamento humano, Allan Kardec indagou aos Benfeitores e Guias da Humanidade, conforme se lê em O Livro dos Espíritos, na questão número 621:
- Onde está escrita a lei de Deus?
- Na consciência. - Responderam com sabedoria.
A consciência é o estágio elevado que deves adquirir, a fim de seguires no rumo da angelitude.

Autor: Joanna de Ângelis
Psicografia de Divaldo Franco
1998-2018 | CVDEE - Centro Virtual de Divulgação e Estudo do Espiritismo