Espiritismo Educação Recursos Ajuda Serviços
Estudos
Salas de Estudo      O Livro dos Espíritos      O Evangelho      A Gênese
O Livro dos Médiuns      Série André Luiz      Série Philomeno   Educar      Família      
Home > O Livro dos Médiuns
SEGUNDA PARTE-DAS MANIFESTAÇÕES-Capítulo XVI-Dos médiuns especiais–itens 191-192 (Estudo 37 de 133)

       

1. De acordo com o modo de execução da psicografia, os mediuns podem ser:

2. Qual está mais sujeito a enganos? Por quê?

3. Conforme o grau de desenvolvimento da mediunidade qual é o tipo mais procurado para textos mais longos?

4. Como se chega ao grau de excelência mediúnica?

5. Que perigo encerra a confusão entre experiência e aptidão mediúnica?

6. Qual é o perigo de ser um médium exclusivo?

7. Que característica torna os médiuns de evocação especiais para este gênero de comunicação?
 
SEGUNDA PARTE-DAS MANIFESTAÇÕES-Capítulo XVI-Dos médiuns especiais–itens 191-192 - Conclusão Voltar ao estudo
 
CONCLUSÃO

1. Médiuns escreventes ou psicógrafos, Médiuns escreventes mecânicos, Médiuns semimecânicos, Médiuns intuitivos, Médiuns polígrafos, Médiuns poliglotas, Médiuns iletrados.

2. São os médiuns intuitivos, porque interpretam a mensagem recebida e, se não estiverem muito preparados, podem interferir na mensagem mudando-a ou se enganam dizendo-se intuidos quando falam por si mesmo.

3. Médiuns explícitos, porque "as comunicações que recebem têm toda a amplitude e toda a extensão que se podem esperar de um escritor consumado".

4. Com o estudo sistemático e a perseverança no melhoramento pessoal, praticando o que prega, isto é, aquele cuja ação e verbo seguem na mesma direção e intensidade.

5."O mal é que muitos médiuns confundem a experiência, fruto do estudo, com a aptidão, produto da organização física. Julgam-se mestres, porque escrevem com facilidade; repelem todos os conselhos e se tomam presas de Espíritos mentirosos e hipócritas, que os captam, lisonjeando-lhes o orgulho".

6. O perigo real é o da obsessão, pois o médium fica sujeito à vontade de um único Espírito que tanto pode ser bom quanto pode ser mau – de qualquer maneira ninguém deve ter exclusividade sobre ninguém e os bons jamais pedem isso.

7. A sua maleabilidade, pois o resultado de suas comunicações se dá com base num quadro geral de mensagens.

1998-2018 | CVDEE - Centro Virtual de Divulgação e Estudo do Espiritismo