Espiritismo Educação Recursos Ajuda Serviços
Estudos
Salas de Estudo      O Livro dos Espíritos      O Evangelho      A Gênese
O Livro dos Médiuns      Série André Luiz      Série Philomeno   Educar      Família      
Home > O Livro dos Médiuns
SEGUNDA PARTE-DAS MANIFESTAÇÕES-Capítulo XIV-Dos médiuns–itens 167-177 (Estudo 33 de 133)

       

Reflexões:

1. Qual a característica principal dos médiuns videntes que os distingue dos de dupla vista e das visões acidentais?

2. Descreva a faculdade mediúnica da vidência.

3. Por que os Espíritos recomendam que não se force o desenvolvimento desta faculdade?

4. Qual a diferença entre o sonâmbulo e o sonâmbulo médium?

5. Que papel tem o grau moral do médium na expressão da faculdade?

6. Qual a diferença entre a faculdade mediúnica de curar e a especialidade de magnetizar?

7. Que associação há entre a mediunidade curadora e a magnetização?

8. Que particularidade têm os médiuns pneumatógrafos que nem todos os médiuns escreventes têm?

9. Qual a utilidade desta faculdade, sendo tão rara e mais fácil escrever?

 
SEGUNDA PARTE-DAS MANIFESTAÇÕES-Capítulo XIV-Dos médiuns–itens 167-177 - Conclusão Voltar ao estudo
 
CONCLUSÃO

1. "Estas aparições [também a dupla vista] constituem fatos isolados, que apresentam sempre um caráter individual e pessoal, e não efeito de uma faculdade propriamente dita."

2. O médium vidente vê com os olhos da alma - tanto podem ver com os olhos abertos quanto fechados - e ele pode ver, quase sempre, qualquer Espírito, mesmo os que lhe são estranhos.

3. Porque necessário é que se siga o que naturalmente trouxemos como ferramenta de serviço para que possamos desempenhar bem nossas tarefas e não nos tornemos joguetes de nossa própria imaginação; essa recomendação é feita também em relação aos outros tipos de mediunidade.

4. O sonâmbulo age conforme seu próprio espírito (animismo) e o que ele externa vem de sua alma mesmo, da sua percepção, que se faz mais aguçada pela emancipação da alma; o médium, ao contrário externa o que vem de outra inteligência. Assim, um sonâmbulo pode ser médium, mas são duas faculdades distintas uma vez que a mediunidade se caracteriza pela comunicabilidade com os Espíritos.

5. O grau moral define a linha de afinidade do médium com o Espírito comunicante, ou seja, é mais fácil para ele transmitir mensagens de Espíritos de grau evolutivo igual ao seu; embora os Espíritos superiores possam se utilizar de qualquer médium, procurarão aqueles que melhor possam lhes servir de intermediários; nesse caso, quanto mais evoluído moralmente for o médium, melhor intermediário será.

6. "Todos os magnetizadores são mais ou menos aptos a curar, desde que saibam conduzir-se convenientemente, ao passo que nos médiuns curadores a faculdade é espontânea e alguns até a possuem sem jamais terem ouvido falar de magnetismo. A intervenção de uma potência oculta, que é o que constitui a mediunidade, se faz manifesta, em certas circunstâncias, sobretudo se considerarmos que a maioria das pessoas que podem, com razão, ser qualificadas de médiuns curadores recorre à prece, que é uma verdadeira evocação."

7. O fluído magnético tem papel fundamental tanto na magnetização quanto na mediunidade de cura.

8. Geralmente, os médiuns pneumatógrafos são médiuns altamente especializados nesse mister, asistidos, é claro, por Espíritos de igual poder, podendo provocar esse fenômeno em vários graus de especialização, conforme tenha treinado menos ou mais.

9. A finalidade seria a de comprovação de fenômenos como são os fenônemos físicos; é rara justamente pela dificuldades de se conseguir realizá-la e pela sua finalidade.

1998-2018 | CVDEE - Centro Virtual de Divulgação e Estudo do Espiritismo