Espiritismo Educação Recursos Ajuda Serviços
Estudos
Salas de Estudo      O Livro dos Espíritos      O Evangelho      A Gênese
O Livro dos Médiuns      Série André Luiz      Educar      Família      
Home > André Luiz > Evolução em Dois Mundos
2ª pte - XV - Passe magnético (Estudo 36 de 41)

       

Segunda parte
XV

Passe magnético

- Como podemos encarar o passe magnético no campo espírita, do ponto de
vista da medicina humana?

- Em verdade, para conseguirmos alguma idéia precisa no dicionário
terreno, com respeito ao poder do fluido magnético, que constitui por si
emanação controlada de força mental sob a alavanca da vontade, será
interessante figurar o nosso veículo de manifestação como sendo o Estado
Orgânico em que nos expressamos na condição de Espíritos imortais, em
multifária graduação evolutiva.

Semelhante esfera celular, para a nossa conceituação mais simples na
técnica fraseológica das criaturas encarnadas*, pode ser dividida em duas
partes essenciais - o hemisfério visível ou campo somático e o hemisfério
por enquanto invisível na Terra ao sensório comum, ou campo
psicossomático.



* Definição somente aplicável no Plano Físico mais denso. (Nota do Autor
Espiritual.)

No primeiro, temos o comboio fisiológico tangível, capaz de oferecer
positivos elementos de estudo à perquirição histológica.

No segundo, encontramos o perispírito da definição kardequiana, ou corpo
espiritual, que preside a todas as formações do cosmo físico.



Observando, assim, o carro de exteriorização da inteligência por um Estado
Orgânico, perfeitamente estruturado em sua base e comportamento, é fácil
interpretar-lhe os órgãos como províncias diferenciadas entre si, não
obstante conjugadas em sintonia de ação para os mesmos fins, e
apreciar-Ihe os milhões de células como entidades microscópicas em
comunidades distintas, como povos infinitesimais a se caracterizarem por
atividades específicas.

Representando o sistema hemático, no corpo humano, o conjunto das energias
circulantes no psicossoma, energias essas tomadas pela mente, através da
respiração, ao infinito reservatório do fluido cósmico, é para ele que
devemos voltar a maior atenção, de vez que se encontra intimamente
associado ao estímulo nervoso ou aparelho de comunicação entre o governo
do Estado simbólico a que nos referimos e suas províncias e cidadãos - os
órgãos e as células.

Correspondendo a centros vitais do perispírito - que não podemos entender
agora, por ausência de terminologia adequada entre os homens - temos o
eritrônio, o leucocitônio e o trombônio, tanto quanto o sistema
retículo-endotelial e os gânglios linfáticos, dando nascimento, no plasma
sanguíneo, às coletividades corpusculares das hemácias, dos leucócitos,
dos trombócitos, dos macrófagos e dos linfócitos, a se dividirem através
de famílias numerosas, em trabalho incessante, desde as usinas geratrizes
do baço e da medula óssea, do fígado e dos gânglios, até o estroma dos
órgãos.

Reconhecendo-se a capacidade do fluido magnético para que as criaturas se
influenciem reciprocamente, com muito mais amplitude e eficiência atuará
ele sobre as entidades celulares do Estado Orgânico - particularmente as
sanguíneas e as histiocitárias - determinando-lhes o nível satisfatório, a
migração ou a extrema mobilidade, a fabricação de anticorpos ou, ainda, a
improvisação de outros recursos combativos e imunológicos, na defesa
contra as invasões bacterianas e na redução ou extinção dos processos
patogênicos, por intermédio de ordens automáticas da consciência profunda.

Toda queda moral nos seres responsáveis opera certa lesão no hemisfério
psicossomático ou perispírito, a refletir-se em desarmonia no hemisfério
somático ou veículo carnal, provocando determinada causa de sofrimento.

A dor, portanto, dessa ou daquela forma, é sempre uma situação de alarma
ou emergência, mais ou menos durável no império orgânico, requisitando o
socorro externo da medicina do corpo ou da alma, na execução do alívio ou
da cura.

Pelo passe magnético, no entanto, notadamente naquele que se baseie no
divino manancial da prece, a vontade fortalecida no bem pode soerguer a
vontade enfraquecida de outrem para que essa vontade novamente ajustada à
confiança magnetize naturalmente os milhões de agentes microscópicos a seu
serviço, a fim de que o Estado Orgânico, nessa ou naquela contingência, se
recomponha para o equilíbrio indispensável.

Assim é que orar em nosso favor é atrair a Força Divina para a restauração
de nossas forças humanas, e orar a benefício dos outros ou ajudá-los,
através da energia magnética, à disposição de todos os espíritos que
desejem realmente servir, será sempre assegurar-lhes as melhores
possibilidades de auto-reajustamento, compreendendo-se, porém, que se o
amor consola, instrui, ameniza, levanta, recupera e redime, todos estamos
condicionados à justiça a que voluntariamente nos rendemos, perante a Vida
Eterna, justiça que preceitua, conforme o ensinamento de Nosso Senhor
Jesus-Cristo, seja dado isso ou aquilo "a cada um segundo as suas próprias
obras", cabendo-nos recordar que as obras felizes ou menos felizes podem
ser fruto de nossa orientação todos os dias e, por isso mesmo, todos os
dias será possível alterar o rumo de nosso próprio roteiro.

- Qual a velocidade da emissão fluídica de um passe?

- A questão envolve, na base, o estudo da partícula do pensamento, em sua
composição de estrutura e potencial, para o que ainda não possuímos
qualquer recurso nas definições humanas.


Uberaba, 11/6/58.


QUESTÕES PARA ESTUDO


1) Como André Luiz divide o veículo de manifestação do espirito na Terra?

2) Qual a simbologia usada pelo autor para descrever a composição do corpo
humano?

3) De que modo o magnetismo atua sobre o corpo físico através do passe?

4) Como André Luiz explica a função da dor?

5) Qual a importância da prece para a restauração das forças humanas?

ELUCIDAÇÃO DE TERMOS USADOS PELO AUTOR ESPIRITUAL

eritrônio - conjunto de corpúsculos da série vermelha, os quais constituem
os glóbulos vermelhos do sangue, denominados eritrócitos

estroma - trama de tecido conjuntivo que constitui a estrutura dos órgãos.
Tecido conjuntivo é o formado por agrupamentos celulares que apresentam
grande quantidade de material intercelular rico em fibras

gânglio linfático - órgão especial de filtragem e defesa pelos quais passa
a linfa, sendo um local de produção de linfócitos

hemácia - glóbulo vermelho do sangue, também denominado eritrócito, que,
por sua composição, leva o oxigênio aos tecidos e retira destes o gás
carbônico

histiocitário - relativo ao que pertence aos tecidos orgânicos

histológico - referente à histologia, estudo anatômico da estrutura
microscópica dos tecidos orgânicos

leucócito - glóbulo branco do sangue

leucocitônio - conjunto dos corpúsculos que constituem os glóbulos brancos
do sangue

linfócito - corpúsculo linfático, variedade de leucócito mononuclear, que
serve de defesa contra os germes e tóxicos

macrófago - célula de grandes dimensões que realiza a fagocitose, isto é,
a ingestão e destruição de uma partícula sólida ou de um microorganismo

retículo-endotelial - relativo ao retículo-endotélio, tecido do sistema
integrado por células reticulares (formando rede) do estroma dos órgãos
onde se formam os glóbulos sangüíneos e células endoteliais, as que
revestem as paredes internas dos vasos sangüíneos e linfáticos, assim como
do coração e outros órgãos

trombócito - plaqueta sanguínea cuja função é a de provocar a coagulação
do sangue

trombônio - conjunto de plaquetas sangüíneas que constituem os trombócitos

(extraído do livro Elucidário de evolução em dois mundos, de José Marques
Mesquita, edição da USEERJ, União das Sociedades Espíritas do Estado do
Rio de Janeiro)

  Conclusão deste estudo 
1998-2009 | CVDEE - Centro Virtual de Divulgação e Estudo do Espiritismo