Espiritismo Educação Recursos Ajuda Serviços
Estudos
Salas de Estudo      O Livro dos Espíritos      O Evangelho      A Gênese
O Livro dos Médiuns      Série André Luiz      Educar      Família      
Home > O Livro dos Espíritos
Caracteres do homem de bem (Estudo 159 de 193)

       


a) O espírito prova a sua elevação quando todos os atos de sua vida corporal representam a prática da lei de
Deus e quando, antecipadamente, compreende a vida espiritual.

b) Segundo Kardec, o verdadeiro homem de bem é o que pratica a lei de justiça, amor e caridade, na sua maior
pureza. Interrogando sua consciência , perguntará se praticou algum ato que transgrediu essa lei. Se não fez o mal,
se fez todo o bem que podia e se ninguém tem motivos para dele se queixar. Enfim, se fez aos outros o que
desejara que lhe fizessem.

c) O homem de bem é bondoso, humanitário e benevolente para com todos, sem distinguir raças nem crenças e
faz o bem pelo bem, sem contar com qualquer retribuição. Sacrifica seus interesses pelos da justiça.

d) Se possuidor de poder e riqueza, considera essas coisas como um depósito que Deus lhe confiou e que lhe
cumpre usar para o bem. Não se envaidece do poder e da riqueza pois sabe que, tendo Deus lhes dado, pode
dele lhes retirar.

e) Usa da autoridade que venha a ter sobre os outros para elevá-los moralmente e não para esmagá-los com seu
orgulho, tratando-os com bondade e complacência.

f) É indulgente para com as fraquezas alheias, porque sabe que também precisa da indulgência dos outros para com
as suas fraquezas; não é vingativo, pois não ignora que, como houver perdoado, assim também o será e respeita em
seus semelhantes todos os direitos que as Leis Naturais lhes concedem.


QUESTÕES PARA ESTUDO E PARTICIPAÇÃO:

1 - Qual, para nós, a importância da conceituação do homem de bem dada pelos Espíritos e por Kardec?

2 - Podemos considerar que a humanidade já há atingido esse estágio?

3 - Diante das características do homem de bem definidas por Kardec, quais os principais vícios que podemos
identificar como obstáculos para que assim possamos nos considerar?

  Conclusão deste estudo 
1998-2009 | CVDEE - Centro Virtual de Divulgação e Estudo do Espiritismo