Espiritismo Educação Recursos Ajuda Serviços
Estudos
Salas de Estudo      O Livro dos Espíritos      O Evangelho      A Gênese
O Livro dos Médiuns      Série André Luiz      Série Philomeno   Educar      Família      
Home > O Livro dos Espíritos
Inteligência e instinto (Estudo 21 de 193)

       

LE021-Estudo Sintetico do Livro dos Espiritos
LIVRO DOS ESPIRITOS- Allan Kardec. Do Principio Vital. Parte Primeira, Capitulo IV, perguntas 71 a 75.
Tema: Inteligencia e instinto.

A inteligencia e instinto

"A inteligencia nao e' atributo do principio vital, pois que as plantas vivem e nao pensam; so´ tem vida organica. A inteligencia e a materia sao independentes. Mas, a inteligencia so´ por meio dos orgaos materiais pode manifestar-se. Necessario e' que o Espirito se una 'a materia animalizada para intelectualiza-la."
"A fonte da inteligencia e' a inteligencia universal."
"O instinto nao independe, precisamente, da inteligencia. E' uma especie de inteligencia. E' uma inteligencia sem raciocinio. Por ele e' que todos os instinto seres provem as suas necessidades."
"O instinto e a inteligencia muitas vezes se confundem. Mas muito bem se podem distinguir os atos que decorrem do instinto dos que sao da inteligencia."
" O instinto existe sempre, mas o homem o despreza. O instinto tambem pode conduzir ao bem. Ele quase sempre nos guia e algumas vezes com mais seguranca do que a razao. Nunca se transvia. O instinto nao raciocina; a razao permite a escolha e da' ao homem o livre-arbitrio."

1 - Qual a diferenca entre instinto e inteligencia ?

2 - Porque o instinto pode nos conduzir ao bem ?

3 - Como distinguir os atos provenientes do instindo e os provenientes da inteligencia ?
 
Inteligência e instinto - Conclusão Voltar ao estudo
 
LE021-Estudo Sintetico do Livro dos Espiritos
LIVRO DOS ESPIRITOS- Allan Kardec. Do Principio Vital. Parte Primeira, Capitulo IV, perguntas 71 a 75.
Tema: Inteligencia e instinto.

1 - Qual a diferenca entre instinto e inteligencia ?

INTELIGENCIA:Faculdade de conceber, de compreender e de raciocinar.
Seria injusto recusar aos animais uma especie de inteligencia e
acreditar que apenas seguem maquinalmente o impulso cego do instinto. A
observaçao demonstra que, em muitos casos, eles agem com propósito
deliberado e segundo as circunstancias; mas essa inteligencia, por mais
admiravel que seja, eh sempre limitada aa satisfaçao das necessidades
materiais, enquanto a do homem lhe permite elevar-se acima da condiçao
da humanidade. A linha de demarcaçao entre os animais e o homem eh
traçada pelo senso moral, a consciencia do bem e do mal, a faculdade
progressiva e o conhecimento dado a este ultimo de que existe um Ser
supremo.

INSTINTO. Especie de inteligencia rudimentar que dirige os seres vivos
em suas açoes independentemente de sua vontade e no interesse de sua
conservaçao. O instinto torna-se inteligencia quando existe deliberaçao.
Pelo instinto age-se sem raciocinar; pela inteligencia, raciocina-se
antes de agir. No homem, confunde-se muito frequentemente as ideias
instintivas com as ideias intuitivas. Estas ultimas sao aquelas que ele
adquiriu, seja no estado de Espirito, seja nas existencias anteriores, e
das quais conserva uma vaga lembrança. (O Livro dos Espiritos, n° 71).

2 - Porque o instinto pode nos conduzir ao bem ?

O instinto contém elementos altamente ricos em termos de recursos para orientação no caminho do bem.
O instinto provém de camadas mais inconscientes do ser, sendo resultado de experiências pregressas, sedimentadas na conquista do espírito e também da "voz interior" (ver questão 621 do LE); a inteligência envolve um recurso mais "recentemente" adquirido: a razão (que envolve várias etapas, como a vontade, o julgamento e a deliberação).

3 - Como distinguir os atos provenientes do instindo e os provenientes da
inteligencia?

Alguns elementos podem ajudar (lembrar que "uma andorinha só não faz
verão"...):
- Instinto tende a ser um primeiro impulso, enquanto a inteligência envolve
atos mais elaborados da função mental;
- Caráter vago, nebuloso da "idéia" instintiva; freqüentemente, a
"sentimos" mais do que a "pensamos".
1998-2018 | CVDEE - Centro Virtual de Divulgação e Estudo do Espiritismo