Espiritismo Educação Recursos Ajuda Serviços
Estudos
Salas de Estudo      O Livro dos Espíritos      O Evangelho      A Gênese
O Livro dos Médiuns      Série André Luiz      Série Philomeno   Educar      Família      
Home > A Gênese
Emigrações e imigrações dos espíritos (itens 35 a 37) (Estudo 77 de 136)

       

1.- No intervalo de suas existências corporais, os espíritos ficam no estado de erraticidade e formam a população
espiritual da Terra. Pelas mortes e pelos nascimentos dos corpos físicos, as duas populações, terrestre e espiritual,
trocam de posição incessantemente. Há, pois, diariamente, emigrações do mundo corpóreo para o mundo espiritual
e imigrações deste para aquele: é o estado normal.

2.- Em determinadas épocas ditadas pela sabedoria divina, essas emigrações e imigrações operam-se em grandes
quantidades, em virtude de revoluções que ocasionam a partida simultânea de grande número de espíritos, logo
substituídos por equivalentes quantidades de encarnações. Os flagelos destruidores e os cataclismos devem,
portanto, considerar-se como ocasiões de chegadas e partidas coletivas, meios providenciais de renovamento da
população corporal do globo, de ela se retemperar pela introdução de novos elementos espirituais mais depurados.

3.- Na destruição de grande número de corpos que se verifica por essas catástrofes, nada mais há do que rompimento
de vestiduras. Nenhum espírito perece: eles apenas mudam de planos. Em vez de partirem isoladamente, partem em
bandos. Essa a única diferença, visto que, por uma causa ou por outra, fatalmente têm que partir, cedo ou tarde.

4.- As renovações rápidas, quase instantâneas, que se produzem no elemento espiritual da população, por efeito dos
flagelos destruidores, apressam o progresso social. Sem as emigrações e imigrações que de tempos a tempos lhe
vêm dar violento impulso, só com extrema lentidão esse progresso se realizaria.
5.- Essa transfusão que se efetua entre a população encarnada e desencarnada de um planeta, igualmente se efetua
entre os mundos, quer individualmente, nas condições normais, quer por massas, em circunstâncias especiais. Há,
pois, emigrações e imigrações coletivas de um mundo para outro, donde resulta a introdução, na população de um
deles, de elementos inteiramente novos.

6.- As novas raças de espíritos que vêm se misturar às existentes constituem novas raças de homens. Como os
espíritos nunca mais perdem o que adquiriram, trazem consigo sempre a inteligência e a intuição dos conhecimentos
que possuem, o que faz que imprimam o caráter que lhes é peculiar à raça corpórea que venham animar. Para isso,
só necessitam de que novos corpos sejam criados para serem por eles usados. Em chegando à Terra, integram-lhe,
a princípio, a população espiritual. Depois, encarnam, como os outros.


QUESTÕES PARA ESTUDO


a) O que são "emigrações e imigrações dos espíritos" e quais os tipos existentes?

b) Qual o objetivo das migrações coletivas?

c) E das migrações entre os Planetas?


 
Emigrações e imigrações dos espíritos (itens 35 a 37) - Conclusão Voltar ao estudo
 
C O N C L U S Ã O

Há, diariamente, emigrações do mundo corpóreo para o mundo espiritual e imigrações deste para aquele: é o estado normal. Em determinadas épocas ditadas pela sabedoria divina, estas emigrações e imigrações operam-se em grandes quantidades, em virtude de revoluções que ocasionam a partida simultânea de grande número de espíritos, logo substituídos por equivalente quantidade de encarnações. Essa transfusão que se efetua entre a população encarnada e desencarnada de um planeta, igualmente se efetua entre os mundos, quer individualmente, nas condições normais, quer por massas, em circunstâncias especiais

QUESTÕES PROPOSTAS PARA ESTUDO

a) O que são "emigrações e imigrações dos espíritos" e quais os tipos existentes?

R - A população terrena está situada em dois planos dimensionais distintos: no plano espiritual, onde os espíritos em evolução encontram-se no estado de erraticidade, aguardando nova reencarnação e no plano físico ou material, onde passam pelas experiências na matéria, ainda necessárias ao seu progresso. Permanentemente, pelos fenômenos do nascimento e morte dos corpos físicos, há uma troca de posições. Ora um espírito encontra-se habitando o plano espiritual, ora o plano corpóreo. Esta troca constante, que ocorre a todo momento, de forma ininterrupta, constitui um fluxo migratório como o que vemos na vida terrena nos aeroportos, com espíritos chegando e partindo. A este movimento migratório constante é que Kardec denominou "emigrações e imigrações de espíritos".

Podemos classificar o movimento migratório levando em consideração o número de espíritos envolvidos e considerando o limite da Terra ou não. Assim, a migração pode se dar, respectivamente, de forma individual ou coletiva e no limite exclusivamente terreno ou interplanetário. A migração individual é a que comumente assistimos. Pelos fenômenos conhecidos como nascimento e morte, a todo momento espíritos voltam da erraticidade, enquanto outros a ela retornam, cumprindo-se a lei natural. São movimentos migratórios individuais, ou seja, sem qualquer vinculação entre um caso e outro. É a rotina do Planeta. A outra maneira são as migrações coletivas, que envolvem uma grande quantidade de espíritos e são produzidas, de tempos em tempos, por meio de flagelos destruidores, de cataclismos, de guerras, que promovem uma desencarnação em massa de espíritos. O que as caracteriza é o fato de serem ocasionadas simultaneamente e pelo mesmo acontecimento. São seguidas de encarnações em quantidade equivalentes.

O movimento migratório de espíritos, porém, não se restringe ao limite da Terra. Do mesmo modo que se opera a renovação da população encarnada e desencarnada dentro do limite terreno, pelos nascimentos e mortes dos corpos físicos, que é a rotina, também se efetua, individual ou coletivamente, movimentos migratórios entre a Terra e outros Planetas. Nesta circunstância, novos espíritos, de níveis evolutivos diferentes daqueles que formam a humanidade terrena, vêm a ela se misturar, acrescentando novos elementos. Do mesmo modo, espíritos também partem da Terra rumo a outros mundos, por motivos diferentes, porém sempre obedecendo a um planejamento divino.

b) Qual o objetivo das migrações coletivas?

R - Conforme explica Allan Kardec, o movimento de chegada e partida coletiva de espíritos é determinado pela Sabedoria Divina com a finalidade de acelerar a renovação da população do Planeta, introduzindo elementos espirituais mais depurados. As migrações coletivas, ao provocarem a renovação rápida no elemento espiritual da população, fazem com que o progresso receba
um violento impulso, chegando mais rápido. Sem elas, só com extrema lentidão esse progresso se realizaria. Kardec ressalta que todas as grandes calamidades que dizimam populações são seguidas de uma era de progresso no estado social das nações, tanto física, como intelectual e moralmente.

c) E das migrações entre os planetas?

R - O objetivo das migrações envolvendo outros planetas, em geral, é juntar à população terrena atual seres espirituais mais evoluídos, que impulsionarão o progresso da Terra com o conhecimento que trazem de outros mundos.
1998-2018 | CVDEE - Centro Virtual de Divulgação e Estudo do Espiritismo