Espiritismo Educação Recursos Ajuda Serviços
Estudos
Salas de Estudo      O Livro dos Espíritos      O Evangelho      A Gênese
O Livro dos Médiuns      Série André Luiz      Série Philomeno   Educar      Família      
Home > A Gênese
Encarnação dos espíritos - 2ª parte (itens 24 a 27) (Estudo 74 de 136)

       

1.- A obrigação, para o Espirito encarnado, de prover à nutrição do corpo, a sua segurança, o seu bem-estar o obriga a aplicar suas faculdades e a desenvolve-las. A união do Espirito com a matéria é útil ao seu progresso, eis porque a encarnação é uma necessidade.

2.- Agindo em sua própria vantagem, o Espírito auxilia a transformaçao e o progresso material do globo que habita e por essa razão é um agente insconsciente da obra do Criador.

3.- A encarnação é temporária. Quando o Espírito deixa um corpo, nao retoma outro instantaneamente, durante um tempo consideravel vive na vida espiritual tanto que se somarmos o tempo que já viveu encarnado e o que viveu na erraticidade, o tempo passado nas diferentes encarnações é pouco se comparado ao tempo que passa no estado de Espírito livre.

4.- No intervalo de suas encarnações o Espirito também progride, pois faz um balanço de sua vida corporal, de suas vivencias, reconhece suas faltas, traça seus planos e toma resoluções. Assim é que cada existencia é um passo avante na via do progresso, uma espécie de escola de aplicação.
5.- A encarnação nao é uma punição para o Espirito como muitos pensam, mas um meio de progredir.

6.- A medida que o Espirito progride moralmente ele se desmaterializa, se purifica. Sua vida se espiritualiza, suas faculdades e percepção se ampliam. Como ele age em virtude de seu livre arbitrio assim como pode progredir rapidamente tambem pode retardar o seu progresso. Depende pois do Espirito, abreviar a duração de suas encarnações mediante seu trabalho de purificação sobre si mesmo.

7.- O progresso material de um globo segue o progresso material de seus habitantes. Como esses habitantes e esses mundos progridem mais ou menos rapidamente de acordo com o livre arbitrio temos que existem mundos mais ou menos antigos em diferentes graus de adiantamento físico e moral.

8.- Neste ponto de vista, a Terra é um dos mundos menos adiantados, povoada por Espíritos relativamente inferiores e a vida corporal é mais penosa que em outros mundos. Assim tambem temos mundos mais atrasados que a Terra onde a vida é mais penosa e para quem a Terra seria relativamente um mundo feliz.




QUESTÕES PARA ESTUDO


a) Por que a encarnação do espírito é uma necessidade?

b) O progresso do Espirito se dá somente quando está encarnado?

c) Podemos considerar a encarnação como uma punição para o espírito?

d) Como se dá o progresso material dos mundos habitados?

 
Encarnação dos espíritos - 2ª parte (itens 24 a 27) - Conclusão Voltar ao estudo
 
A união do espírito com a matéria é útil ao seu progresso, eis porque a encarnação é uma necessidade. Agindo em seu próprio proveito, o espírito auxilia a transformação e o progresso material do globo que habita e, por essa razão, é um agente inconsciente da obra do Criador.

QUESTÕES PROPOSTAS PARA ESTUDO

a) Por que a encarnação é uma necessidade para o espírito?

R - A encarnação do espírito é uma necessidade pois lhe dá a oportunidade de exercitar e desenvolver suas faculdades, através da obrigação de prover ao alimento do corpo, à sua segurança e ao seu bem-estar. Além disso, pelo trabalho inteligente que executa em seu proveito, faz com que se torne agente de transformação e progresso material do planeta que lhe serve de habitação, colaborando com a obra do Criador.

b) O progresso do espirito se dá somente quando está encarnado?

R - No intervalo entre suas encarnações, que pode ser mais ou menos longo, conforme as suas necessidades evolutivas, o espírito progride igualmente, no sentido de que aplica ao seu adiantamento os conhecimentos e a experiência que alcançou no decorrer da vida corporal. É um período proveitoso para que o espírito examine o que fez enquanto durante a última encarnação e para que passe em revista o que aprendeu, reconhecendo suas faltas, traçando planos e tomando resoluções para a nova existência na Terra.

c) Podemos considerar a encarnação como uma punição para o espírito?

R - A encarnação não é uma punição para o espírito, mas uma condição para o seu aprimoramento e um meio de progresso. No entanto, conforme progride moralmente, o espírito vai se depurando e sofrendo menos influência da matéria. Sua existência torna-se mais espiritualizada, suas faculdades e percepções se ampliam e, em conseqüência, torna-se mais feliz. De acordo com o uso que faz de seu livre-arbítrio, pode retardar o seu avanço, permanecendo mais tempo nas categorias inferiores. Neste caso, prolongará a duração e aumentará o número de suas encarnações, que, então, tornar-se-ão uma punição, pois terá de recomeçar as mesmas tarefas.

d) Como se dá o progresso material dos mundos habitados?

R - O progresso material dos mundos habitados acompanha o progresso moral de seus habitantes. Assim, há mundos mais ou menos adiantados, na medida em que sejam mais ou menos adiantados os seus habitantes. Conforme o grau de adiantamento dos mundos, é mais ou menos material a encarnação e o trabalho para os espíritos. A Terra é um dos mundos menos adiantados, povoada por espíritos relativamente inferiores, sendo a vida aí mais penosa do que noutros orbes. Há, também, mundos mais atrasados, onde a existência é ainda mais penosa.
1998-2018 | CVDEE - Centro Virtual de Divulgação e Estudo do Espiritismo