Espiritismo Educação Recursos Ajuda Serviços
Estudos
Salas de Estudo      O Livro dos Espíritos      O Evangelho      A Gênese
O Livro dos Médiuns      Série André Luiz      Série Philomeno   Educar      Família      
Home > A Gênese
Período terciário - 2a.pte. - (itens 38 a 41) (Estudo 52 de 136)

       

R E S U M O



1.- Deslocada por efeito dos soerguimentos vistos no estudo anterior, a massa granítica deixou, em algumas regiões,
fendas por onde escapa o fogo interior e se escoam as matérias em fusão. São os vulcões, que funcionam como uma
espécie de chaminés ou válvulas de segurança de uma imensa fornalha, dando saída ao excesso das matérias
incandescentes. Assim, preservam o globo de comoções muito mais terríveis, constituindo-se uma segurança para o
conjunto da superfície do solo.

2.- As águas que escoaram em virtude dos sucessivos deslocamentos provocados pelos levantamentos do solo
arrastaram consigo uma parte dos terrenos de formações anteriores postos a descoberto pelos levantamentos,
desnudaram algumas montanhas que eles cobriam e lhes deixaram à mostra a base granítica ou calcárea. Há, pois,
montanhas diretamente formadas pelo fogo central, principalmente as graníticas e outras, formadas devido à ação das
águas, que, arrastando as terras móveis e as matérias solúveis, cavaram vales em torno de uma base calcárea e
resistente.

3.- As matérias carreadas pelas correntes de água formaram as camadas do período terciário, que se distinguem das
formadas nos períodos precedentes, menos pela composição, que é quase a mesma, do que pela disposição. As
camadas dos períodos primário, de transição e secundário, formadas sobre uma superfície pouco acidentada, são
mais ou menos uniformes na Terra toda. As do período terciário, formadas, ao invés, sobre uma base irregular e pela
ação carreadora das águas, apresentam caráter mais local. Por toda parte, fazendo-se escavações de certa
profundidade, encontram-se todas as camadas anteriores, na ordem em que se formaram. As formadas no período
terciário não se encontram por toda parte.

4.- Durante os reviramentos do solo, ocorridos no princípio deste período, a vida orgânica, como é fácil de se entender,
teve que ficar estacionária por algum tempo, o que se reconhece examinando terrenos onde não se encontram qualquer
tipo de fósseis. Desde, porém, que sobreveio um estado mais calmo, reapareceram os vegetais e os animais. Estando
mudadas as condições de vitalidade, mais depurada a atmosfera, formaram-se novas espécies, com organização mais perfeita.As plantas, sob o ponto de vista da estrutura, diferem pouco das de hoje.

5.- Durante os dois períodos precedentes, eram pouco extensos os terrenos que as águas não cobriam e, ainda assim,
eram pantanosos e, com freqüência, ficavam submersos. Essa a razão por que só havia animais aquáticos ou anfíbios.
O período terciário, no qual vários continentes se formaram, caracterizou-se pelo aparecimento dos animais terrestres.
Assim como o período de transição assistiu ao nascimento de uma vegetação colossal, o período secundário ao de
reptis monstruosos, o terciário presenciou o de gigantescos mamíferos, como o elefante, o rinoceronte, o hipopótamo,
o paleotérico, o megatério, o dinotério, o mastodonte, o mamute, etc. Estes dois últimos, variedades do elefante,
tinham de 5 a 6 metros de altura e suas defesas chegavam a 4 metros de comprimento.

6.- Também assistiu, esse período, ao nascimento dos pássaros, bem como da maioria das espécies animais que
ainda hoje existem. Algumas, das dessa época, sobreviveram aos cataclismos posteriores; outras, qualificadas
genericamente de animais antediluvianos, desapareceram completamente ou foram substituídas por espécimes
análogas, de formas menos pesadas e menos maciças, cujos primeiros tipos foram como que esboços. Tais o "felis
speloea", animal carnívoro do tamanho de um touro, com os caracteres anatômicos do tigre e do leão; o "cervus
megaceron", variedade do cervo, cujos chifres, compridos, de 3 metros, eram espaçados de 3 a 4 nas extremidades.


QUESTÕES PARA ESTUDO

a) Qual a origem dos vulcões e a sua utilidade para a vida na Terra?

b) Como se formou a camada do solo surgida no período terciário?

c) O que a distingue das formadas nos períodos precedentes?

d) Vimos que esse período operou grandes transformações no globo, fazendo com que surgissem animais com organização física mais perfeita. Que outro fato significativo ocorreu na evolução do reino animal?
 
Período terciário - 2a.pte. - (itens 38 a 41) - Conclusão Voltar ao estudo
 
C O N C L U S Ã O

O período terciário marca o início de uma nova ordem na Terra. O solo muda completamente de figura. Após o surgimento das montanhas, aparecem os vulcões, resultado das fendas provocadas na superfície do globo pelo soerguimento do solo que as originou. Os seres vivos até então existentes - vegetais e animais - são destruídos. Quando as novas condições de vida permitem, surgem novas espécimes, de formas menos pesadas e menos maciças. Umas desaparecem por completo, vítimas dos cataclismos posteriores; outras, sobrevivem ainda por muito tempo.


a) Qual a origem dos vulcões e a sua utilidade para a vida na Terra?

R - Os vulcões surgiram em conseqüência das fendas que foram abertas no solo da Terra, devido aos soerguimentos ocorridos em diversas regiões. Por estas fendas, a matéria incandescente que ardia no seu interior encontrou o escoadouro natural, vindo à tona, em pleno estado de fusão. Como tudo na obra do Criador, os vulcões também têm a sua destinação no funcionamento do Universo, ao possibilitarem a vazão do excesso de matéria incandescente que, se reprimidas indefinidamente no interior do solo, certamente provocariam explosões permanentes, causando comoções que poderiam inviabilizar a vida no Planeta. Algo semelhante a uma panela de pressão que não possuísse válvula de escape. Os vulcões têm a função, portanto, de uma válvula de escape para a matéria incandescente que existe no interior da Terra, permitindo a estabilidade do solo.

b) Como se formou a camada do solo surgida no período terciário?

R - A camada do solo que surgiu durante o período terciário teve formação semelhante às dos períodos anteriores. Foi formada de matérias carreadas pelas correntes de água, ainda bastante freqüentes neste período, devido às grandes revoluções que continuavam ocorrendo no solo do planeta. Os sucessivos deslocamentos das águas, arrastando as terras móveis e as matérias solúveis, por outro lado, cavaram vales em torno de uma base resistente, calcárea ou de outra natureza, possibilitando o surgimento de montanhas formadas não diretamente pelo fogo central, mas da ação das águas

c) O que a distingue das formadas nos períodos precedentes?

R - A camada formada neste período é constituída das mesmas matérias que formaram as surgidas nos períodos anteriores, que foram carreadas, também, pela intensa movimentação das águas. No entanto, por ter sido assentada num solo que se tornou acidentado devido aos soerguimentos ocorridos e que deram origem aos picos e montanhas, a camada formada no período terciário difere-se das demais pela sua localização irregular. Enquanto as anteriores foram assentadas de maneira mais ou menos uniforme em todo o planeta, a formada no período terciário aparece em locais determinados, não sendo encontradas em toda a superfície do planeta. Fazendo-se escavações, encontra-se em toda parte as camadas dos períodos anteriores, na ordem em que se formaram. As do período terciário, de modo diverso, são encontradas apenas em determinadas regiões.

d) Vimos que esse período operou grandes transformações no globo, fazendo com que surgissem animais com organização física mais perfeita. Que outro fato significativo ocorreu na evolução do reino animal?

R - Durante os períodos precedentes, eram pouco extensos os terrenos que as águas não cobriam e, ainda assim, eram pantanosos e, com freqüência, ficavam submersos. Esta a razão por que só havia animais aquáticos ou anfíbios. O período terciário, no qual vários continentes se formaram, caracterizou-se pelo aparecimento dos animais terrestres, os primeiros mamíferos, gigantescos, como o elefante, o rinoceronte, o hipopótamo, o mastodonte e o mamute, e dos pássaros. Com as modificações atmosféricas acontecidas, os animais, assim como os vegetais, passaram a ter uma constituição física mais perfeita, assemelhada à dos que hoje conhecemos, substituindo os gigantescos répteis surgidos no período secundário, que, ao que tudo indica, desapareceram com a destruição geral dos seres vivos que marcou o início desse período.
Obs.: Com relação ao surgimento dos pássaros, lembramos a nota incluída na edição do CELD, de autoria de Cláudio Lirange Zanatta, no sentido de ser possível que Allan Kardec estivesse se referindo aos pássaros modernos, tais como os conhecemos hoje, pois a Paleontologia, atualmente, situa o surgimento dos pássaros na Era Mesozóica moderna, mais exatamente no Período Jurássico, que corresponde ao Período Secundário da classificação adotada por Kardec, na obra que estamos estudando.
1998-2018 | CVDEE - Centro Virtual de Divulgação e Estudo do Espiritismo