Espiritismo Educação Recursos Ajuda Serviços
Estudos
Salas de Estudo      O Livro dos Espíritos      O Evangelho      A Gênese
O Livro dos Médiuns      Série André Luiz      Série Philomeno   Educar      Família      
Home > A Gênese
Os cometas (itens 28 a 31) (Estudo 38 de 136)

       

1.- Os cometas são vistos por alguns como mundos nascentes, a se elaborarem, que se encontram no caos primitivo
em que se acham as condições de vida e de existância, estágio por que já passaram os planetas habitados. Na visão
de outros, ao contrário, seriam mundos em estado de destruição. Outros conceitos, ainda, se formaram a respeito da natureza deles, havendo, até mesmo, quem os considerasse pressagiadores de desgraças, enviados, que seriam,
dos desígnios da Providência à Terra.

2.- Os quadros da Natureza, no entanto, demonstram que os cometas são, simplesmente, astros errantes, que
servem de exploradores aos impérios solares, diversos dos corpos planetários. Não têm como destinação servirem de
habitação a humanidades. Vão, sucessivamente, de sóis em sóis, haurir, nos focos solares, os princípios vivificantes
e renovadores que derramam sobre os mundos terrestres.

3.- Se acompanhássemos um desses astros pelo pensamento, para com ele visitar as províncias siderais, iríamos
transpor a extensão da matéria etérea que separa o Sol das estrelas mais próximas. Observando os movimentos
combinados desse astro, encontraríamos uma prova eloqüente da universalidade das leis da Natureza, que atuam a
distâncias para nós inimagináveis.

4.- A forma elíptica toma a forma parabólica e a marcha se torna tão lenta que o cometa não chega a percorrer mais
que alguns metros. Talvez um sol mais poderoso, mais importante do que o que ele acaba de deixar, exerça sobre
esse cometa uma atração preponderante e o receba na categoria de seus súditos. Então, na Terra, em vão as
crianças espantadas lhe aguardarão o retorno, que haviam predito, baseando-se em observações incompletas. Nesse
caso, nós, que pelo pensamento acompanhamos a essas regiões desconhecidas o cometa errante, depararemos com
uma nação nova, que os olhares terrenos não podem encontrar, inimaginável para os Espíritos que habitam a Terra,
inconcebível mesmo para as suas mentes, porquanto ela será teatro de inexploradas maravilhas. Chegamos ao mundo
astral, nesse mundo deslumbrante dos vastos sóis que irradiam pelo espaço infinito e que são as flores brilhantes do
magnífico jardim da criação. Lá chegados, apenas saberemos o que é a Terra, conclui o espírito Galileu.


QUESTÕES PARA ESTUDO

a) O que são cometas?

b) Como os cometas eram conceituados anteriormente?

c) Qual o papel dos cometas perante o Universo?

d) Qual a diferença entre os cometas e os planetas?
 
Os cometas (itens 28 a 31) - Conclusão Voltar ao estudo
 
C O N C L U S Ã O

Os cometas são astros errantes, que, se acompanhados pelo pensamento, permite visitarmos longínquas províncias siderais, transpondo a matéria etérea que separa o Sol das estrelas mais próximas.
QUESTÕES PROPOSTAS PARA ESTUDO

a) O que são os cometas?

R - Segundo o espírito Galileu, os cometas são astros errantes ou, como preferem alguns autores, viajantes (o termo errante é contestado, uma vez que dá idéia de falta de rumo, de algo vagante sem destino certo), que têm trajetória e periodicidade programadas e que permitem ao homem acompanhar o seu percurso e transpor os limites da Terra, calculando distâncias de longínquas regiões do espaço. Sua natureza etérea afasta todo e qualquer risco de choques violentos com a Terra, que, neste caso, o atravessaria, como se passasse através de um nevoeiro. São constituídos de gases congelados e poeira e têm alguns quilômetros de diâmetro. Quando se aproximam do Sol, sua superfície começa a se vaporizar sob a ação do calor, produzindo uma brilhante e reluzente cabeleira (uma imensa esfera de gás e poeira ao redor do núcleo, com até um milhão de quilômetros de diâmetro), uma cauda de gás e outra de poeira, que pode atingir até 100 milhões de quilômetros de comprimento.

b) Como os cometas eram conceituados anteriormente?

R - Para alguns, os cometas eram mundos nascentes, em elaboração para adquirirem condições de vida e de existência. Outros defendiam a idéia de que eram mundos em estado de destruição, após terem cumprido a sua destinação. Quanto à sua atuação, havia os que os imaginavam como pressagiadores de desgraças, enviados pelo desígnio de Deus para impor seus castigos aos homens.

c) Qual o papel dos cometas perante o Universo?

R - Os cometas destinam-se a explorarem os impérios solares, indo de sóis em sóis, agregando, por vezes, durante sua trajetória, fragmentos de diversos corpos planetários, reduzidos ao estado de vapor. Exercem, também, o papel de haurirem, durante o percurso, nos impérios solares, princípios vivificantes e renovadores, que derramam sobre os mundos dos quais se aproximam.

d) Qual a diferença entre os cometas e os planetas?

R - Distintamente dos planetas, que são destinados a abrigarem na matéria espíritos em evolução, os cometas, como demonstra a comunicação, não têm como destinação servirem de morada às humanidades que compõem o Universo. Suas funções, na obra da Criação, são as descritas acima. Outra diferença importante em relação aos orbes planetários é que os cometas têm natureza etérea, constituídos que são de gases congelados e poeira cósmica.

1998-2018 | CVDEE - Centro Virtual de Divulgação e Estudo do Espiritismo