Espiritismo Educação Recursos Ajuda Serviços
Estudos
Salas de Estudo      O Livro dos Espíritos      O Evangelho      A Gênese
O Livro dos Médiuns      Série André Luiz      Série Philomeno   Educar      Família      
Home > A Gênese
Caráter da revelação espírita (ítens 55 a 59) (Estudo 11 de 136)

       

1.- Um outro aspecto da revelação espírita é que ela é dinamica e está sempre em sintonia com a ciência, pois tal como esta última a Doutrina Espírita é progressiva. Isto quer dizer que o Espiritismo é uma filosofia aberta ao progresso da ciência.
Kardec nos coloca com muita propriedade que o Espiritismo jamais será ultrapassado pois "se novas descobertas demostrassem estar em erro sobre um certo ponto, ele se modificará sobre esse ponto, se uma nova verdade se revelar, ele a aceitará ".

2.- Sabemos que todo ser humano trás marcada em sua consciencia as leis morais, mas ainda necessitamos de pequenos lembretes que nos despertem esses conhecimentos. A moral que trazemos conosco é a moral do Cristo, que já tinha sido prenunciada por Sócrates e Platão em termos quase identicos. O Espiritismo vem reafirmar essa moral acrescendo a elaos principios que unem os mundos material e espiritual, despertando no ser humano a solidariedade e o amor ao próximo que deixam de ser praticados como dever e passam a ser praticados com prazer.

3.- No entanto pergunta-se: "Qual a autoridade da revelação espírita, pois que ela emana de seres cujas luzes são limitadas e que não são infalíveis? " Devemos nos lembrar que o ensino dos Espiritos é somente um começo. O ser humano usará esses ensinamentos como ponto de partida para a reflexão e o estudo. Sabemos que os Espiritos são as almas dos homens e portanto sabemos tambem que homens de genio que estiveram encarnados podem nos dar instrucoes sob a forma espiritual da mesma maneira que nos davam quando encarnados.

4.- Porém, os espiritos que se comunicam nao sao somente Espiritos Superiores e sim de todas as ordens e quaisquer que sejam os ensinamentos que nos sao passados cabe a nós discernirmos neles o que há de bom ou mau. O ensino é constante tanto entre encarnados e desencarnados como entre encarnados. Todos podem ensinar-nos coisas que nao sabiamos e que sem eles nao saberiamos.

5. - Os Espiritos com grande conhecimento que estao encarnados tem seu campo de açao restrito e portanto a propagacao de seus conhecimentos é feita de forma lenta. Se um encarnado falasse sobre o mundo espiritual e como se processa o intercambio entre ele e nosso mundo dificilmente alguém acreditaria, visto que somos ainda muito céticos. Por essa razao os conhecimentos foram passados pelos Espiritos como forma de convencer-nos da sua existencia e o fazendo em vários pontos da Terra ao mesmo tempo, o fazem de maneira mais rápida e dao uma prova da verdade na coincidencia desses ensinamentos.



QUESTÕES PARA ESTUDO:

a) Como se dá a relação entre o Espiritismo e as demais ciências?

b) Qual a utilidade da doutrina moral dos Espíritos, se ela é a mesma de Jesus?

c) Como explicar a autoridade da revelação espírita, considerando que ela foi trazida por espíritos ainda falíveis?

d) Por que os conhecimentos sobre a moral de Jesus e os postulados da Doutrina Espírita não foram passados somente pelos espíritos de gênio que estavam encarnados?


 
Caráter da revelação espírita (ítens 55 a 59) - Conclusão Voltar ao estudo
 
C O N C L U S Ã O

A revelação espírita é progressiva e, pela sua substância, alia-se à ciência que, sendo a exposição das leis da Natureza, não pode ser contrária às leis de Deus, autor daquelas. Veio para resgatar o ensinamento moral do Cristo, que se encontrava esquecido pelos homens. Resultado do ensino dos Espíritos Superiores, para o seu advento também concorreu o homem, através da observação e da verificação de sua racionalidade. Nada foi aceito sem que fosse submetido ao critério da razão. O Espiritismo, pois, não estabelece como princípio absoluto senão o que se acha evidentemente demonstrado, ou o que ressalta logicamente da observação.

QUESTÕES PROPOSTAS PARA ESTUDO

a) Como se dá a relação entre o Espiritismo e as demais ciências?

R - O Espiritismo acompanhará sempre o progresso das demais ciências. Jamais será ultrapassado, pois, se novas descobertas da ciência demonstrarem que ele está em erro acerca de um ponto qualquer ou se uma nova verdade se revelar, o Espiritismo se modificará nesse ponto. Como toda ciência de observação, o Espiritismo não pode deixar de ser uma doutrina essencialmente progressiva. Sendo assim, não estabelece princípios absolutos sem que se achem devidamente demonstrados ou que resultem da observação, caminhando sempre paralelamente com o progresso. Estará sempre aliado à ciência, uma vez que, como esta, fundamenta-se em leis naturais, criadas por Deus.

b) Qual a utilidade da doutrina moral dos Espíritos, se ela é a mesma de Jesus?

R - Como explica Kardec, a moral que os Espíritos ensinam é a do Cristo, pela razão de que não há outra melhor. Os Espíritos vieram ratificar o ensinamento moral de Jesus, que havia sido ao mesmo tempo esquecido e adulterado pelos homens, por intermédio das diversas religiões que se constituíram após a sua passagem pela carne. Relembrando aqueles ensinamentos,
fez aumentar o número de seus seguidores, propagando pelo mundo a doutrina de Jesus, através das múltiplas manifestações que se fizeram por toda a parte.

A moral resultante das Leis Naturais está escrita na nossa consciência. Porém, nem todos a interpretam e a seguem corretamente. Do mesmo modo que um pai repete para seu filho o mesmo ensinamento inúmeras vezes, Deus envia, de tempos em tempos, seus missionários para lembrar aos homens a sua Lei, recolocando-os no caminho certo. A moral do Cristo é praticamente idêntica à ensinada por Sócrates e Platão quinhentos anos antes e repetida, sob formas diversas, até os dias de hoje, por diversas correntes moralistas. O Espiritismo, porém, não se limitou a reviver o ensinamento moral do Cristo. Acrescentou a ele o conhecimento dos princípios que regem as relações entre os dois planos de vida, espiritual e o material. Trouxe à humanidade, por meio das próprias leis da Natureza, a realidade do espírito, do seu passado e de seu futuro, do qual apenas se tinha vaga noção.

c) Como explicar a autoridade da revelação espírita, considerando que ela foi trazida por espíritos ainda falíveis?

R - A revelação espírita não se baseia unicamente no ensino dos Espíritos, aceitos incondicionalmente e sem o exame da razão. Também o homem concorre para a revelação, com a observação dos fatos trazidos pelos Espíritos, dela extraindo suas deduções. Esta foi a missão de Allan Kardec, que, como ele próprio afirmou, tornou-se o centro de elaboração da doutrina. As manifestações dos Espíritos eram de todas as categorias e a ele cabia submetê-las à lógica e ao bom-senso, vindo daí a autoridade da doutrina.

d) Por que os conhecimentos sobre a moral de Jesus e os postulados da Doutrina Espírita não foram passados somente pelos espíritos de gênio que estavam encarnados?

R - Porque se a revelação viesse apenas pelos Espíritos encarnados, por mais iluminados que fossem, a sua contradição por parte da incredulidade seria muito maior. Como se provaria a veracidade do conhecimento do mundo espiritual, se não fosse trazido pelos seus próprios habitantes? Quis Deus que o ensino fosse dado pelos próprios Espíritos para que eles convencessem os homens de sua existência. Por outro lado, vindo pelos Espíritos, esses conhecimentos poderiam se propagar mais rapidamente sobre a Terra e sua veracidade mais facilmente constatada, pela coincidência das manifestações. A ação dos grandes Espíritos encarnados, ainda que homens de gênio, é restrita e de lenta propagação. Viesse deles a revelação, o ceticismo seria maior e muitos séculos levariam para ser aceitas pela humanidade. Por esta razão, Deus, em sua sabedoria, quis que o ensino fosse dado pelos próprios Espíritos e não por encarnados, a fim de que eles convencessem os homens da sua existência.
1998-2018 | CVDEE - Centro Virtual de Divulgação e Estudo do Espiritismo