Espiritismo Educação Recursos Ajuda Serviços
Estudos
Salas de Estudo      O Livro dos Espíritos      O Evangelho      A Gênese
O Livro dos Médiuns      Série André Luiz      Série Philomeno   Educar      Família      
Home > A Gênese
Caráter da revelação espírita (itens 11 a 18) (Estudo 4 de 136)

       

1.- A possibilidade de comunicação com o mundo espiritual sempre existiu e é antigo
esse conhecimento por parte da humanidade. Todavia, por desconhecerem as leis que
regem essa relação, os homens a mantiveram sob o manto da superstição, como letra
morta, incapazes de aproveitar esse relacionamento em proveito do progresso.

2.- Trazendo à humanidade o conhecimento do mundo invisível e das leis que regem o
seu relacionamento com o mundo visível, o Espiritismo se constitui uma verdadeira
revelação, na acepção científica do termo, pois traz o conhecimento da natureza e do
estado dos seres que habitam o mundo espiritual e o destino dos homens após a
morte.

3.- Por sua natureza, a revelação espírita tem duplo caráter. É uma revelação de
caráter divino, por ter resultado não de uma iniciativa humana, mas da providência divina.
Seus fundamentos provêm do ensino dos Espíritos encarregados por Deus de esclarecer
os homens sobre as coisas que eles não podiam aprender por si mesmos e que hoje
estão aptos a compreender.

4.- É, ao mesmo tempo, uma revelação de caráter científico, por ser esses ensinos
transmitidos a todos do mesmo modo, através de um trabalho de observação e pesquisa,
pois tanto os Espiritos reveladores e os que os receberam são portadores de livre-arbítrio;
porque esses ensinos devem ser submetidos a exame, uma vez que a doutrina não
tem fundamentos definitivos nem está sujeita à crença cega; porque é fruto do trabalho
de observação pelos homens dos fatos trazidos pelos Espíritos. É, portanto, divina, por
ser a sua origem de iniciativa dos Espíritos encarregados por Deus e humana, por ser a
sua elaboração fruto do trabalho do homem.

5.- Todos os seus fundamentos, como a reencarnação, a pré-existência e a sobrevivência
do espírito ou qualquer outro, não foram estabelecidos por uma teoria preconcebida, mas
obtidos do mesmo modo que as ciências positivas, através do método experimental. É
uma ciência de observação, pois não foram os fatos que vieram confirmar a teoria e, sim,
a teoria é que veio estudar e explicar os fatos.

6.- O Espiritismo e as ciências positivas se completam reciprocamente, estudando
ambos as forças da natureza - o espírito e a matéria - e as reações de um sobre a outra e
vice-versa. A Ciência, sem o Espiritismo, se acha na impossibilidade de explicar certos
fenômenos só pelas leis da matéria. Ao Espiritismo, sem a Ciência, faltariam apoio e
comprovação.

7.- Todas as ciências se encadeiam e sucedem numa ordem racional, nascendo umas
da outras, à proporção que acham ponto de apoio nas idéias e conhecimentos anteriores.
Assim acontece com a Astronomia, a Física, a Química, a Fisiologia, a Zoologia, a
Botânica, umas fornecendo elementos às outras para desenvolverem seu conhecimento.

8.- A Ciência moderna adota a concepção de um só elemento gerador das transformações
da matéria, ou seja, toda matéria é constituída do mesmo elemento transformado. Porém,
a matéria é inerte, não tendo vida, pensamento nem sentimento, necessitando do princípio
espiritual para tanto. Coube ao Espiritismo a demonstração da sua existência, estudando-o
e analisando-o.

9.- O elemento material e o elemento espiritual formam os dois princípios da Natureza. A
união desses dois princípios explica uma série de fatos até então inexplicáveis. O Espiritismo tem por objeto o estudo de um desses princípios constitutivos do Universo - o
princípio espiritual - relacionando-se, automaticamente, com a maior parte das Ciências.
Por isso, nasceu após a elaboração delas e pela impossibilidade de tudo se explicar com
o conhecimento apenas das leis da matéria.


QUESTÕES PARA ESTUDO E PARTICIPAÇÃO:

a) Por que o Espiritismo pode ser considerado uma revelação científica?

b) Qual o caráter divino da revelação espírita?

c) Há semelhança entre o método de elaboração do Espiritismo e das ciências materialistas?

d) Qual a importância destas ciências para o advento do Espiritismo?
 
Caráter da revelação espírita (itens 11 a 18) - Conclusão Voltar ao estudo
 
C O N C L U S Ã O

É antigo o conhecimento da possibilidade de nos comunicarmos com os seres do mundo espiritual. No entanto, até o surgimento do Espiritismo, esse conhecimento ficou sem proveito para a Humanidade, pois a ignorância das leis que regem as relações entre esses dois planos levou o homem à superstição, incapaz de tirar daí qualquer dedução salutar. Estava reservado ao Espiritismo desembaraçá-lo de crenças ridículas, fazendo surgir a luz destinada a clarear-lhe o caminho do futuro.
QUESTÕES PROPOSTAS PARA ESTUDO

a) Por que o Espiritismo pode ser considerado uma revelação científica?

R - O Espiritismo é também uma revelação científica por terem seus ensinamentos sido recebidos através de um trabalho de observação e de pesquisa realizado por Allan Kardec. Sua doutrina não foi ditada completa nem impingida como crença cega.
Ao contrário, é deduzida pelo trabalho de observação dos fatos, tendo se submetido à experimentação os ensinamentos e instruções que os Espíritos Superiores transmitiram. Caracteriza-se, ainda, como revelação científica, por dar a conhecer à humanidade o mundo invisível que a cerca e no meio do qual vive sem que o suspeitasse, assim como as leis que o regem,
suas relações com o mundo visível, a natureza e o estado dos seres que o habitam e, por conseguinte, o destino do homem depois da morte. É, portanto, uma verdadeira revelação, na acepção científica da palavra.

b) Qual o caráter divino da revelação espírita?

R - O Espiritismo é ao mesmo tempo uma revelação divina por ter o seu surgimento resultado da ação da Providência de Deus e não da iniciativa ou desígnio de um homem. Os seus ensinamentos foram dados a conhecer pelos Espíritos Superiores, sob a égide de Jesus e encarregados por Deus de esclarecer os homens sobre coisas que eles ignoravam e que não tinham condições de aprender por si mesmos.

c) Há semelhança entre o método de elaboração do Espiritismo e das ciências materialistas?

R - O método de elaboração utilizado por Kardec para codificar o Espiritismo foi exatamente o mesmo que é usado pelas ciências positivas. Fatos novos se apresentam, que não podem ser explicados pelas leis conhecidas, são observados, comparados, analisados e, remontando dos efeitos às causas, chega-se à lei que os rege. Depois, deduz-lhes as conseqüências e busca as aplicações úteis. Não foram, portanto, os fatos que vieram a posteriori confirmar a teoria. A teoria é que veio subseqüentemente explicar e resumir os fatos. É, pois, rigorosamente exato dizer-se que o Espiritismo é uma ciência de observação e não produto da imaginação, elaborado pelo mesmo método experimental, que se aplica não apenas à matéria, mas, igualmente, às questões metafísicas.

d) Qual a importância destas ciências para o advento do Espiritismo?

R - O Espiritismo e as Ciências positivas se completam, reciprocamente. Sem os conhecimentos trazidos pelo Espiritismo, a Ciência acha-se impossibilitada de explicar certos fenômenos, utilizando-se apenas as leis da matéria. O Espiritismo, por sua vez, sem a Ciência, não encontraria apoio nem comprovação para muitos dos fenômenos que explica. Por essa razão, o estudo das leis da matéria tinha que preceder o das leis que regem o mundo espiritual, porque a matéria é que primeiro fere os sentidos. O Espiritismo, tendo por objeto o estudo de um dos elementos constitutivos do Universo, toca forçosamente na maior parte das ciências. Só podia, portanto, vir depois da elaboração delas, pela força mesma das coisas e pela impossibilidade de tudo se explicar com o auxílio apenas das leis da matéria.

1998-2018 | CVDEE - Centro Virtual de Divulgação e Estudo do Espiritismo