Espiritismo Educação Recursos Ajuda Serviços
Estudos
Salas de Estudo      O Livro dos Espíritos      O Evangelho      A Gênese
O Livro dos Médiuns      Série André Luiz      Série Philomeno   Educar      Família      
Home > Educação
Tema: Família e Lar - nosso papo (Estudo 631 de 835)

       

Respostas:

1. É o grupo no qual estamos inseridos, carnal e espiritualmente.

2. Na encarnação, a reunião de espíritos destinados à mútuo desenvolvimento. Na vida espiritual, nossa localização real, que é determinada pelo nosso grau de adiantamento.

3. Eles são encontrados em nossas vidas passadas, desde a mais remota até a atual.

4. É o amor, sem sombra de dúvidas.

Um fraterno abraço,

Wagner Castro.
---
1 - O que é Família?
União de espiritos muitos pelos laços de sangue, e outras tantas pelos laços da alma

2 - O que é Lar?
Ponto de partida para o mundo, porto seguro para descansar das mazelas da vida..

3 - Quais são os verdadeiros laços de família?
Os do coração e da alma.

4 - Quais são as bases de um verdadeiro lar?
O amor, o respeito, a caridade, a compreenção...
---
Eis, Gente Linda, tudo na paz com vcs?! :-)
Euzinha nem bem começou o tema já tava aqui pensando:

a) Quando falamos em família e lar, falamos da mesma coisa? Ou há diferença entre uma coisa e outra? Se sim, por que? Se não, por que?!

b) Quando falamos em família , ela é fechada num modelo tal ou ela pode ser composta de uma forma diferenciada? Como? Por que?

c) Quando falo em lar, eu necessariamente estou falando de família?

Que que vcs acham?! ;-)
tarde cor e amor procês
beijocas mineiras com carinho no coração
---
Euzinha, de novo :-) Espero que tudo continue na paz por aís! :-)
Eu recebi o seguinte texto do Antônio, um amigo de paltalk e orkut, que veio dentro do nosso tema em estudo e, por isso, estou colocando aí embaixo :-)
tarde feliz procês
beijocas mineiras com carinho no coração
Família, o Grande Laboratório do Amor
Lúcia Pupper
http://www.terraespiritual.locaweb.com.br/espiritismo/artigo2022.html


"... os inimigos do homem são os de sua própria casa."
(Mateus, 10; 36)


Num primeiro momento, ao lermos esta passagem evangélica parece-nos que há um equívoco na afirmativa, mas não é esta a realidade, é necessário que se analise sob dois aspectos esta passagem para podermos compreendê-la com exatidão.

Analisemos, primeiramente, a família que é o primeiro grupo social a que pertencemos. Ao encarnarmos já estamos inclusos nela, devido à programação feita no plano espiritual. A convivência familiar é indispensável e necessária à nossa evolução, pois a família é o grande laboratório onde nos exercitamos como seres humanos, e é através dela que combatemos o egoísmo, aprendemos a ser solidários e nos apropriamos de avanços intelectuais e morais. Ela é o alicerce do que somos ou fazemos. Não somos fruto de um destino determinista, mas sim fruto das nossas muitas opções, logo, nos podemos determinar quem queremos ser e o que queremos fazer, porque temos o nosso livre arbítrio.

O objetivo da formação das famílias visa desenvolver a tolerância mútua, depurar faltas, recomposição com velhos desafetos, desenvolver o conjunto das virtudes e reunir algozes e vítimas para que aprendam a lei do Amor.

A parentela carnal reúne espíritos endividados entre si, inimigos ferrenhos de outras vidas ou vítimas contumazes de nossos desatinos, mas sempre recebemos o auxílio de espíritos afim, com os quais já aparamos nossas diferenças, aos quais estamos ligados por laços de afetividade mais profundos e por compatibilidade vibracional, que encarnam junto a nós para nos dar amparo moral e afetivo.

A família carnal é necessária para o nosso ingresso e desenvolvimento na matéria, mas nossa verdadeira família é aquela que temos no plano espiritual, que nos ampara e procura através de recursos ligados ao espírito nos auxiliar a viver na matéria de acordo com as leis de Deus e cumprindo os compromissos que assumimos ao encarnar. Isso explica porque muitas vezes nos sentimos estranhos no meio familiar, nos sentimos diferentes de nossos familiares, uma melancolia inexplicável nos envolve, é a saudade daqueles que deixamos no plano do invisível, mas que de forma inconsciente sentimos sua presença.

Os pais dão o corpo, mas só Deus cria os espíritos, assim podemos dizer que os pais participam da ação Divina da criação, co-criando. Mas quando as famílias se compõem através da adoção, mesmo havendo uma escolha consciente podemos ainda ter a certeza que não houve o acaso, mas que se cumpriu no plano físico mais uma programação familiar e o resgate de mais um compromisso feito na espiritualidade, devido ao abrangente ato de amor que é a adoção.

Há uma segunda forma de compreendermos a passagem evangélica quando considerarmos que não somos um corpo que possui um espírito, mas ao contrário, somos espíritos que possuem um corpo para sua expressão.

Cada célula é uma entidade inteligente, princípio inteligente, em fase evolutiva ainda muito básica, mas extremamente sofisticada dentro da sua própria função. Não são considerados mini espíritos ou espíritos em miniatura, porque ainda não atingiram o grau de plenitude para serem classificados como espírito, que é , o princípio inteligente do universo. São bilhões de seres com existência cíclica, que se renova a cada 7 anos, menos os neurônios que se renovam em períodos mais longos, e também assumem o papel uns dos outros, quando devidamente estimulados. Estas vidas embrionárias compõem nosso invólucro carnal, e pelo instinto de conservação em desenvolvimento, mantêm-nos Espírito prisioneiro da carne.

Os anticorpos que vem em nosso socorro em momentos de doença, tentando salvaguardar nossa saúde, nada mais são que guardiões a serviço dessas inteligências embrionárias atendendo a Lei Natural de Conservação. Se assim não fosse haveria o rompimento dos laços perispirituais, libertando nosso espírito; não conseguiríamos nos manter na matéria.

Agora já sabemos quem são nossos verdadeiros inimigos: a parentela carnal e emanações personalísticas. Como conviver em meio a tantos inimigos? É simples. A maneira mais segura de destruir um inimigo é torna-lo um amigo. Mas como tornar amigos aos inimigos?

Quanto à parentela carnal, precisamos começar a ver como oportunidades para nosso aperfeiçoamento, auxiliares poderosos na nossa depuração, críticos infalíveis de nossas falhas, fonte de exercício de todas as nossas virtudes, de nossa capacidade de renúncia e de dedicação. Quanto às emanações personalísticas precisamos atender aos seus apelos de preservação, cuidando bem de tudo que se refere a nossa constituição psicossomática. Atribuindo-lhes tantos reforços físicos quanto espirituais para que estejamos a maior parte da nossa trajetória na matéria harmonizados com o plano espiritual superior.

E aqui se faz necessário lembrar o que o mestre nos diz sobre os nossos inimigos. Segundo Jesus: "-Ouvisses que foi dito: amarás o teu próximo e odiarás o teu inimigo. Eu, porém, vos digo: amai os vossos inimigos e orai pelos que vos perseguem", e "- Reconcilia-te com o inimigo ainda a caminho".

---
a) Quando falamos em família e lar, falamos da mesma coisa? Ou há diferença entre uma coisa e outra? Se sim, por que? Se não, por que?!
Acredito que tenha diferença sim, posso fazer parte de uma familia, mas esta familia pode não significar um lar para mim, sempre penso em lar como um "ninho" um refugio, um ponto de pouso, retorno e partida....familia, terrena pode ser consanguinia, mas sem laços de afeto.....

b) Quando falamos em família , ela é fechada num modelo tal ou ela pode ser composta de uma forma diferenciada? Como? Por que?
Familia, pode ser a consanguinea, os amigos, mesmo as pessoas do trabalho...há uma variação muito grande, posso não fazer parte de uma familia biologica mas nossos laços serem tao profundos que podemos ser mais afins que muitos irmãos, pais, mães, posso ser acolhida, ou acolher alguem que não tenha nada a ver com a parentela biologica.


c) Quando falo em lar, eu necessariamente estou falando de família?
Não, temos grandes exemplos de pessoas que não tinham vinculo algum com sua familia biologica, mas tinha um lar composto por outras pessoas, e não falamos de laços de casamento, mas de amizade....
Não sei se fui muito clara...eu prezo muito minha familia...principalemnte pq. sei que posso ser extremamente devedora aqueles que me acolheram nesta roupagem....acho que a familia é muito importante e nao pode ser esquecida, amo minha familia (mãe, irmãs, sobrinhas), mas ja nao tenho contato com meus tios, primos, etc. embora tentemos um relacionamento a distancia, nao temos muito em comum....nã há "vinculo"

---
è isso mesmo, percebo isso por minha familia, nos
amamos, queremos manter esta chama...mas temos dificuldades para superar nossas diferenças...mas o laços familiares são importantes, pq. nos forçam a rever nossas "antipatias" e fazem com que tentemos nos entender...pq. é impossivel não amar há um irmão...ai aos poucos a gente percebe que somos todos irmãos...e ai o amor aumenta...(rs)

---
- O que é Família?
resposta:
Biologicamente falando, família é o grupo consagüíneo que
constitunímos com outros indivíduos, formando, assim, laços de
parentesco.
2 - O que é Lar?
resposta:
Lar é o cenário onde desenvolvemos e aprimoramos nossos laços de
família
3 - Quais são os verdadeiros laços de família?
resposta:
Segundo o Livro dos Espíritos - parte terceira (Das Leis Morais) cap.
VII - Laços de Família, estes laços servem para estreitar os laços
sociais entre os indivíduos, em virtude da necessidade de progredir do
ser humano. Assim quis Deus para que os homens apredendessem a se amar
como irmãos.
4 - Quais são as bases de um verdadeiro lar?
resposta:
Amor fraternal, progresso espiritual e consciência de que todos nós,
incluindo filhos e pais, temos um dever a cumprir na Terra, e uma
trajetória a seguir.

A Rose is a Rose is a Rose is a Rose...
Gertrude Stein
---
Respostas:

a. Eu vejo no termo "família" uma definição para nosso rol de relacionamento social, seja ela composta por nossos conjuges, filhos, pais, irmãos, amigos, companheiros de trabalho ou atividades religiosas, etc. Já para o "Lar", como bem escreveu a Mirian, seria nosso verdadeiro meio espiritual. Nosso "porto seguro", o local de nossa recomposição espiritual. Esse lar, mesmo quando estamos encarnados, nos acompanha, pois é algo que está dentro de nós.

b. Creio que minha resposta anterior já esclarece minha visão sobre o fato. Tais famílias nos servem de mútua contribuição na extensa jornada rumo à plenitude moral.

c. Chegará o momento em que faremos parte de uma "Grande Família", onde todos estaremos num mesmo estágio evolutivo e então formaremos nosso "Lar".


Um fraterno abraço,

Wagner Castro.
---
O lá amigos da sala Educar!



É um excelente tema este Família e Lar.

Há dois tipos de famílias as consangüíneas e a que cativamos por termos algo em comum, durante o percurso de nossa vida.São pessoas que se preocupam, que se respeitam, que são incentivadores...

O grande desafio nosso é encontrar, ou mesmo construir uma família em todos os espaços que ocupamos, em casa, escola, trabalho, rua, pois a nossa evolução nos levara a ser uma grande família.

Lar, é um espaço ocupado por pessoas que se amam, respeitam e se unem com um objetivo comum: A FELICIDADE DE TODOS E O CRESCIMENTO DE CADA UM, RESPEITANDO AS INDIVIDUALIDADES.



Abraços coloridos



Katia

---
1998-2018 | CVDEE - Centro Virtual de Divulgação e Estudo do Espiritismo