Espiritismo Educação Recursos Ajuda Serviços
Estudos
Salas de Estudo      O Livro dos Espíritos      O Evangelho      A Gênese
O Livro dos Médiuns      Série André Luiz      Série Philomeno   Educar      Família      
Home > Educação
Tema: Família e lar(2) - nossa conversa sobre 02 (Estudo 173 de 835)

       

Oi pessoal! Que maravilha encontrar esta sintonia com vocês...
Em relação à primeira questão, também penso que o conceito de família não se limita àquela unidade formada pelo casal e filhos, mas se estende aos avós, tios, netos, etc. e todos influenciam na educação uns dos outros (porque também os adultos aprendem com as crianças e jovens). Também não devemos esquecer a definição trazida pelo Livro dos Espíritos e também pelo Evangelho sobre o parentesco corporal e o parentesco espiritual, este último, mais forte e duradouro e que se estende além dos laços consangüíneos. Também é certo que essa compreensão está longe de ser hegemônica na nossa sociedade e isso nos faz despender um esforço extra para educarmos os nossos filhos dentro desses princípios, justamente porque "fogem" ao convencional e, mesmo que as novas formas de relações familiares estejam tão evidentes, ainda não nos demos conta que a forma de educar requer muito mais cuidado...

... falando em cuidado, e já entrando na segunda questão, creio que a educação dos filhos, nessa modalidades "não-convencionais" de família, dependendo das circunstâncias deve ser diferenciada, sim, pois caberá a uma pessoa só uma responsabilidade bem maior (na falta da outra com quem seria dividida). Os valores a serem "transmitidos" podem até ser os mesmos (devem ser sólidos e coerentes, com vistas a desenvolver a maturidade), mas é certo que será tarefa bem mais difícil se ficar a cargo de uma só pessoa. Penso que deve-se ter bem em conta que, por mais que nos esforcemos, para o filho(a) vai faltar a referência, ao menos física, ou do pai, ou da mãe e, embora não possamos avaliar plenamente, isso significa muito para ele(a). Podemos até ter condições de dizer que fizemos o máximo, mas será que esse máximo é satisfatório para eles? Enfim, podemos nós sentir o que eles sentem???
No caso em que outras pessoas (avós, tios) auxiliem na educação e no amparo, no carinho a nossos filhos, apesar das inevitáveis diferenças, é muito bem vindo.

Abraços a todos
Muita paz...
Ana
---
a) O que entendemos por família? Ela necessariamente tem que ser formada por pai, mãe e filhos? Ou há uma concepção maior e independente desse padrão "convencional"?
R: Há muitas famílias que se comportam muito bem só com pais ou só com mães. Mas o que vai fazer diferença é a necessidade do filho ou da filha de ter próximo o ali ausente. Mas existem muitas famílias que possuem filhos maravilhosos com uma bela educação independente de ter ou não a figura materna ou paterna.
Temos que levar em consideração já que somos espíritas, o fato do espírito ter a necessidade do apoio da família em si. Se para o reencarnado o pai ou a mãe foi seu inimigo no passado, ele não sentirá a mínima falta e a presença de tal teria uma questão muito seria na família. Mas a Lei deve ser cumprida se não nessa será na outra reencarnação.
Só espero que tenha dado pra entender a minha reflexão, porque ficou meio embolado.

b) A educação dos filhos será diferente se a família constituída for de mãe (ou pai) e filho(s) daquela constituída por mãe e pai e filhos juntos?
R: A educação não depende de quem dá, mas do que se dá e como se dá. Podemos ver filhos criados só pelas mães que tem mais educação que muitas criados pelos pais juntos no mesmo teto. Varia muito também do espírito reencarnado como filho que pode não aceitar nenhum tipo de educação seja por um sozinho e pelos dois juntos (pai e mãe). Pais juntos deve adotar o mesmo programa de educação, não como em muitas famílias onde um reprime e o outro passa a mão na cabeça. Se for para educarem juntos que sejam usados métodos únicos.

É a minha primeira participação na Sala, só espero que tenha sido agradável e proveitosa.

Abraços capixabas e recheados de humildade e paz,
Márcio.
---
a) O que entendemos por família? Ela necessariamente tem que ser formada por pai , mae e filhos? Ou há uma concepção maior e independente desse padrao "convencional"?
Claro qeu não, vivo com minhas duas irmãs e mãe, sem meu pai há 13 anos e posso dizer que minha mãe tem feito um ótimo trabalho, pois somos muito responsáveis e não temos problemas nenhum, com desvio de personalidade, drogas, bebidas etc...Família é aquela que é unida com o propósito de crescer juntos, de aprender, de reviver seus profundos defeitos e ajudar uns aos outros a superá-los. É passar por dificuldades, por felicidades e por provas que no final nos mostram como é bom lutar por algo que nos beneficiará mais tarde. Família é a união repleta de amor.

b) A educação dos filhos será diferente se a família constituída for de mae(ou pai) e filho(s) daquela constituída por mae e pai e filhos juntos?
Não há fundamentos científicos para isso, tanto que minha família é constituída de apenas mãe e filhas e nos damos super bem, temos união, somos responsáveis, e como dito anteriormente não temos problemas sérios como drogas, violência etc. Acredito que a criação saudável é aquela que é feita com amor mas onde os filhos tem a possibilidade de ter a visão de reciprocidade, um lutando junto ao outro para vencer junto, fica mais fácil do que quando um só luta e outro está cego pela sua imprudência e falta de conhecimento ou fé em algo superior.

Beijos fraternos,

Helga

---
Oois...:))
Seguinte, pensando aqui... quando já conseguimos entender que a família independe de estar constituida de forma "convencional", embora às vezes se torna mais difícil aliar o papel de pai/mãe juntos, será que poderiamos dizer que ela , para formar verdadeiramente um lar, dependerá da qualidade da presença? Como conciliar a questão entre a necessidade , no mundo moderno, do trabalho , da busca de aperfeiçoamento profissional(cada vez mais exigido) e da família, a fim de podermos manter a família de forma unida, de educar os filhos sem deixar esse papel somente para a escola?

Aguardando a participação de vcs, tá legal?:)))
um dia cor e amor
beijocas mineiras com carinho no coração
---
Olá irmãos,

Acho que a vida em família é importantíssima e não podemos dizer que não temos tempo para ela. Estou longe de casa, (faço faculdade em Ilhéus e minha família mora em Teixeira) "mas é a vontade de estar perto que nos une". Hoje sei a importância da educação que meus pais me deram, dizendo que nem sempre estariam por perto (fisicamente falando) quando precisasse, mas o que eles me passaram quando estavamos juntos estão guardados no meu agir no dia-a-dia. Os pais têm que encontrar tempo para ficar com seus filhos, alertando-os das dificuldades da modernidade, aproveitando o máximo possível dos instantes que estão juntos para passar algo legal para eles.

Um abraço, Olívio.
---

1998-2018 | CVDEE - Centro Virtual de Divulgação e Estudo do Espiritismo